domingo, 16 de dezembro de 2012

OS QUADRINHOS E EU PARTE 10 - Homem –Aranha e a Morte de Gwen Stacy- (Como isto é possível?)

Homem –Aranha e a Morte de Gwen Stacy- (Como isto é possível?)


Se não estou enganado, aconteceu quando eu estava na 4ª série. O ano,1980. O gibi era Homem -Aranha nº18, editora RGE.  A capa da HQ era tensa,dramática; mostrava o Homem-Aranha e vários rostos familiares a Peter Parker (J. Jonah Jameson, tia May, Mary Jane e vários outros) e as assustadoras palavras “UM DELES VAI MORRER”. Lembro de ter olhado a capa e pensado: “ Não é possível que morra fulano ou siclano – são personagens principais!”. O que eu tinha em mãos era o dramático “confronto final” ( na verdade, depois disto ocorreram vários outros ) do Homem-Aranha e seu arqui-inimigo Duende Verde. Li o gibi no intervalo do colégio em um local reservado, longe da barulheira sem sentido de outras crianças brincando de futebol e pega-pega.
Homem -Aranha nº 18 Editora RGE (1980)


Capa da edição americana "The Spider Man" nº 121 (1973)


O Duende Verde descobre que Peter é o Homem- Aranha e sequestra sua namorada Gwen Stacy , jogando-a da ponte George Washington(uma cena similar ocorreu no primeiro filme do Aranha com Tobey Maguire, sendo Mary Jane a vítima). Inacreditavelmente, diferente do filme, O herói não consegue salvar sua amada Gwen Stacy! Peter impede sua queda prendendo a teia em seu pé, mas o impacto da parada súbita quebra o pescoço dela! Eu não podia acreditar, como era possível algo assim acontecer com um Herói dos quadrinhos? Já não bastava que coisas ruins acontecessem na vida ruim, nem os super-heróis do Universo Marvel seriam poupados?



Não seriam. Era parte do projeto revolucionário de Stan Lee dar uma dimensão mais humana ao produto “Super-Herói”. Fazê-los passar por situações similares as que acontecem com pessoas normais fazia parte do roteiro Marvel, incluindo a perda de entes queridos.

Eu não sabia disto. Tinha só uns oito anos e quando Peter sofreu com o corpo de Gwen sem vida em seus braços, eu sofri juntamente com ele. Aquela tragédia era absolutamente injusta- exatamente como de fato acontece na vida real . Eu estava sendo mais uma vítima da genialidade de Stan Lee, que ao fazer seus personagens Marvel terem dias de sol e dias de chuva, gerou uma inevitável identificação e empatia por parte dos leitores com Super Heróis simultaneamente tão poderosos e tão vulneráveis.


Não teve jeito, Gwen Stacy estava morta e posteriormente Mary Jane tomou o lugar dela no coração de Peter Parker , que agora carregaria para sempre o fardo de não ter sido capaz de salvar seu primeiro grande amor. E desde este dia - até hoje, na verdade- o Aranha tornou-se meu Herói favorito da Marvel. Era como se eu quisesse oferecer um ombro amigo para Peter Parker, por um lado tão espetacular e por outro tão humano, tão comum a nós, meros leitores mortais...


Mary Jane oferece um ombro amigo para  o enlutado Peter Parker
(algo mais além do ombro?)